Pão & Poesia na Terra do Sempre


O OLHAR ESSENCIAL

 

Parte considerável de mim

quer ser a parte que perdi

parte de mim uma estrada

invisível por onde ando

 

parte considerável de mim

procura incessante outro caminho

parte quer achar o ninho

resoluta parte do destino

e quer apagar a solidão

 

parte considerável de mim

quer chorar e sorri

parte de mim uma parte que não fui

parte espera há longos anos

há tantos anos quantos sonhos

 

parte de tantas parte um fio

que me une e me impulsiona

a esta parte indissolúvel

indescritível, indestrutível

 

de todas as partes que se foram

partes ficaram e se aglutinam

se amontoam e se refazem

nesta parte a que eu mesmo

não sabia pertencer

 

nesta metamorfose

sabe-se lá que parte acordará amanhã

e vai querer repartir meu destino

 

espero pacientemente em parte

sem repartir as horas

sem apagar os sonhos

sem despedir ilusões

sem cometer o afobo de partir

sem a parte que acordará em mim

 

Carlos Gildemar Pontes



Escrito por Gildemar Pontes às 10h50
[   ] [ envie esta mensagem ]




NO REINO DA MEDIOCRIDADE

 

Houve um tempo, quando os animais falavam, que tudo começava com “Era uma vez”. Havia reis, rainhas, cavaleiros andantes disputando a honra de princesas. Havia castelos, tavernas, florestas com duendes e animais que se metamorfoseavam em gente e gente que virava bicho. Era o tempo das lendas e das fábulas. Criações do povo que foram passando de geração em geração e foram recolhidas por escritores, que popularizaram essas histórias com o nome de Literatura Infantil.

Bem, mas onde fica o reino da mediocridade em tudo isso? Aqui mesmo, nesta pátria imensa, de contraste entre riqueza e pobreza, que comporta tanto autoritarismo e tanto desgoverno, tanto sábio e tanto ignorante, tanto cientista craque e tanto ministro perna de pau. Esse lugar fica mais perto do que a gente imagina. Um lugar onde um candidato a rei, subserviente ao desgoverno-mor, promove austeridade a uma maioria ignorante e perna de pau.

Vixe Maria, eu tô na terra que esqueceu o bê-a-bá! Mas, como pode um país viver de absolulismo em discursos que não convencem mais ao mais incauto dos estudantes do curso primário de uma escola pública qualquer? Eu disse primário? Como estou atrasado! Aliás, pude perceber o meu atraso quarta-feira última (dia iluminado pelo nascimento de Bárbara), no jantar de posse da nova diretoria do Rotary Clube de Cajazeiras. Sentei-me ao lado de um professor de português do antigo primário, lá atrás, nos idos das décadas de 60 e 70. Ele conversava sobre o ensino de antanho. E eu ouvia meio admirado e meio maravilhado aquele professor ostentando cultura e saber de causar inveja a tanto hermeneuta empapuçado de discursos verborrágicos. Lembrai-me que sou um professor universitário, que tenho alunos já professores do “primário”, que nesse reinado de incompetência e mediocridade ingressam na Universidade sem as noções de latim, francês, inglês, filosofia, sociologia, história, português... O quê?? É sim, meu caro leitor, português. E do jeito que este reino vai, na base do faz de conta, nós estaremos (en)fadados a rebolar a bunda ao som do axé e do forrótrônico, choramingando as letras dos chitãozinhos da vida e colecionando diplomas de mentirinha.

Desculpe-nos, meu caro professor primário, refiro-me a nós porque somos uma sociedade medíocre e abrigamos um magote de incompetentes. Do lado de cá, da vicejante terra de Padre Rolim, temos uma Escola Técnica Federal (hoje, CEFET), um Campus avançado da UFCG e inúmeras escolas, mas a maioria dos nossos professores não conhece Gilberto Freyre, Sérgio Buarque de Holanda, Nélson Werneck Sodré; apesar de viver no sertão, nunca leu Os sertões; e o que dirão de Drummond, Bandeira, Graciliano, Rosa, Rachel, Alencar, Machado? Seria um esforço sobre-humano. Não vou falar em Camões, Pessoa, Camus, Sartre, Genet, Proust, Balzac, Tólstoi, Dostoiewsky, Faulkner, Mansfield, Poe, Kafka, Neruda, Borges, Gabriel, Llosa..., nem pensar, são nomes difíceis até de pronunciar (a rima interna foi involuntária); sem falar nos pensadores, de Sócrates a Morin, que dão um nó danado na tripa cerebral.

Tá vendo, meu caro professor primário, estes autores que descortinaram seu mundo estão fadados a contar suas histórias somente para aposentados como o Senhor e para uns poucos atrevidos que ousam desafiar a estupidez.

Um dia, quem sabe, uma fadinha, cansada da nossa incompetência, resolva acertar-nos com sua varinha de condão, para que possamos acender a nossa escuridão (lá vem de novo a rima interna). Ou quem sabe alguma “autoridade” in-vestida de uma farda, na base do cacetete, nos faça ver estrelas, para que possamos acordar deste sono pesado e inculto e resolvamos ocupar o nosso espaço, para sermos respeitados por esses reizinhos de papelão.

Era uma vez uma escola repleta de professores bem pagos, que liam e...não se envergonhavam disto.

(Esta crônica foi escrita há mais ou menos seis anos e meio e adaptada aos dias atuais).

 

Carlos Gildemar Pontes



Escrito por Gildemar Pontes às 21h21
[   ] [ envie esta mensagem ]




CHEGADA

 

Se tu vieres com a canção do sol

em claro terei toda a noite a deslumbrar

e se nos raios da manhã tu te fizeres presente

unir-me-ei à tua tez brilhante

a iluminar meu corpo errante

mas caso venhas como um boa noite

dormirei no dia e pousarei meu sonho

na vinda do teu crepúsculo

então apagarei as estrelas

desnudarei a noite

e romperei teu véu

por toda a madrugada

 

 

Carlos Gildemar Pontes

 

Robo Kocan



Escrito por Gildemar Pontes às 19h12
[   ] [ envie esta mensagem ]


[ ver mensagens anteriores ]


 
Meu perfil
BRASIL, Nordeste, FORTALEZA, Homem, de 46 a 55 anos, Portuguese, French, Livros, Esportes, Karate
Histórico
  Ver mensagens anteriores

Outros sites
  Revista Agulha
  Leontino Filho
  Arte Jovem
  Meu outro Blog
  Chico Buarque
  Sônia van Dijck
  SS Tânia Mulher
  Fortaleza Esporte Clube
  Adriana Zapparoli
  Touché
  Mario Cezar
  Linaldo Guedes
  Valéria Poética
  Louise Tommasi
  Loba
  Maísa Pupila
  Maria Borges
  Dora Vilvela
  Queima Bucha
  Carolina de Loar
  Usina das Palavras
  Ivinho
  Márcia Maia
  Garganta da Serpente
  Cadeira de Balanço
  Dira
  Rafaella Souza
  Rafaela Dantas
  Maria Odila
  Alcilene
  Zany
  Assis Dantas
  Alex