Pão & Poesia na Terra do Sempre


HOMENAGEM AO DIA NACIONAL DA POESIA - 14 de março

SEM RECEIOS

 

Invoco a Poesia, musa intemporal,

a guiar-me os passos e cavar as ventanias

sem receios para te alcançar

e beber cada gota de saliva.

Se o degredo afastasse o amor que sinto

e fizesse brotar a tempestade

eu não ouviria a solidão e a saudade

nem tão pouco o mistério dos segredos.

Armaria meu barco de desejos

e o encheria com tonéis de esperança

outra vez voltaria a ser criança

pra afastar dos dragões toda maldade.

Nada me impediria de sonhar

de compor em minha mente tua face

e teu corpo esculpido na fogueira

meus desejos nunca antes suplicados

eu faria uma confissão dos meus pecados

e amaria esse amor como quem sente

uma febre sem remédio que curasse.

Ai, amor, vou rompendo as amarras da distância

cinzelando meu cavalo cor de prata

é da lua que começo a cavalgada

com a luz e a benção de São Jorge

cairei como um asteróide iluminado

aos teus pés para erguermos uma vida

sem receios para o sempre de mãos dadas.

Carlos Gildemar Pontes

 



Escrito por Gildemar Pontes às 20h06
[   ] [ envie esta mensagem ]




A todas as mulheres

 

MULHER

 

Esta mulher

Que chega sempre sorrateira

Que sorri tímida, derradeira,

Quem é esta mulher?

É minha esta mulher

Que busca encantar meus sonhos

Que luta para ser mulher

Minha mulher.

A luz desta mulher

Vem branda pelo corredor

E aumenta quando chega a mim

Querendo espantar-me a dor.

Sou eu esta mulher

Que canta quando a noite existe

Que chora por um ser presente

Na alma deste homem triste.

O Deus desta mulher

Se ama pelo amor à vida

Da vida que a gente sonha

Ao lado de uma mulher.

Conter esta mulher não posso

Não ouso dela desprender

Só ela me faz existir

Só ela me faz viver.

No palco esta mulher

Representa o ato da vida

De tudo quanto a gente cria

De tudo quanto faz nascer.

Quem beija esta mulher

Beija o desejo de ser beijado

O desejo de ser amado

Por uma grande mulher

É falso esta mulher

Que grita ao mundo

Pelos cantos da vida

Num saber profundo?

Me deixem esta mulher

Que ela provoca em mim

A liberdade de amá-la:

Simplesmente por ser mulher.

 

Carlos Gildemar Pontes



Escrito por Gildemar Pontes às 23h11
[   ] [ envie esta mensagem ]


[ ver mensagens anteriores ]


 
Meu perfil
BRASIL, Nordeste, FORTALEZA, Homem, de 46 a 55 anos, Portuguese, French, Livros, Esportes, Karate
Histórico
  Ver mensagens anteriores

Outros sites
  Revista Agulha
  Leontino Filho
  Arte Jovem
  Meu outro Blog
  Chico Buarque
  Sônia van Dijck
  SS Tânia Mulher
  Fortaleza Esporte Clube
  Adriana Zapparoli
  Touché
  Mario Cezar
  Linaldo Guedes
  Valéria Poética
  Louise Tommasi
  Loba
  Maísa Pupila
  Maria Borges
  Dora Vilvela
  Queima Bucha
  Carolina de Loar
  Usina das Palavras
  Ivinho
  Márcia Maia
  Garganta da Serpente
  Cadeira de Balanço
  Dira
  Rafaella Souza
  Rafaela Dantas
  Maria Odila
  Alcilene
  Zany
  Assis Dantas
  Alex