Pão & Poesia na Terra do Sempre


 APARIÇÃO

 

Nadja me apareceu como um fantasma

E eu, que não cria em fantasmas

Não acreditei

ela se revelou como uma valsa

E rodopiou meus olhos ao sorrir

Pensei que estava preparado

Para os olhos brilhantes de Nadja

E eles me queimaram a solidão

Com o fogo do encantamento

Eu que tinha medo do encanto

Me encantei em Nadja

 

Carlos Gildemar Pontes



Escrito por Gildemar Pontes às 18h33
[   ] [ envie esta mensagem ]


[ ver mensagens anteriores ]


 
Meu perfil
BRASIL, Nordeste, FORTALEZA, Homem, de 46 a 55 anos, Portuguese, French, Livros, Esportes, Karate
Histórico
  Ver mensagens anteriores

Outros sites
  Revista Agulha
  Leontino Filho
  Arte Jovem
  Meu outro Blog
  Chico Buarque
  Sônia van Dijck
  SS Tânia Mulher
  Fortaleza Esporte Clube
  Adriana Zapparoli
  Touché
  Mario Cezar
  Linaldo Guedes
  Valéria Poética
  Louise Tommasi
  Loba
  Maísa Pupila
  Maria Borges
  Dora Vilvela
  Queima Bucha
  Carolina de Loar
  Usina das Palavras
  Ivinho
  Márcia Maia
  Garganta da Serpente
  Cadeira de Balanço
  Dira
  Rafaella Souza
  Rafaela Dantas
  Maria Odila
  Alcilene
  Zany
  Assis Dantas
  Alex